Geral

  • 06/12/2017

    Laço Branco: Ato pelo fim da violência contra a mulher

    Sindicato está engajado na campanha 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra a mulher

    Dirigentes do Sindicato dos Bancários e Financiários de Curitiba e região participaram de ato, na manhã desta quarta-feira, 06 de dezembro, para marcar o Dia do Laço Branco: homens pelo fim da violência contra a mulher. A ação foi realizada em frente à barraca ativista da Federação dos Trabalhadores em Empresas de Crédito do Paraná (FETEC-CUT-PR), na esquina das ruas XV de Novembro com a Monsenhor Celso, no calçadão do centro de Curitiba, local de grande movimentação popular.


    "O ato é parte da programação dos 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra a mulher e se soma a diversas ações do Sindicato desde o mês de novembro, em que aproveitamos a Mostra de Bandas, atividade de lazer e cultura promovida pela entidade, para ampliar a visibilidade a este tema, para empoderar e encorajar todas as mulheres a se mobilizarem, a denunciarem e a interferirem em qualquer atitude de violência contra a mulher, que cada dia mais termina em feminicídio, que é a violência de morte somente pelo fato de sermos mulheres", lembra Cristiane Zacarias, diretora do Sindicato.


    A Secretária da Mulher da Central Única dos Trabalhadores (CUT) do Paraná, Anacélie Azevedo, anunciou às pessoas que transitavam pela Rua XV que o ato, ornamentado com laços brancos nos postes e encorpado com panfletagem e com a distribuição de lacinhos brancos em forma de botom, trata-se de uma data simbólica, em que um estudante de engenharia no Canadá, no ano de 1989, entrou em sua turma na universidade, pediu aos homens para se abaixarem e atirou em todas as colegas mulheres, matando 14 delas e deixando outras dez feridas. O atirador se matou mas deixou uma carta com a motivação de seu crime: ele não queria o avanço das mulheres na sociedade.


    E é para relembrar todas as opressões sofridas pelas mulheres que o movimento sindical realiza essas ações convidando os homens para a reflexão e engajamento.













    Paula Padilha SEEB Curitiba